Entendendo de vinho

Glossário do vinho: o que são os sulfitos presentes no vinho?

Destaques / 3 min

16 de setembro de 2019

Entre o vocabulário dos entusiastas de vinho, algumas vezes aparece a palavra “sulfito”. Hoje, há muita especulação sobre o uso dessa substância na indústria vitivinícola e sobre os efeitos colaterais que pode causar.

Continue a leitura e entenda melhor sobre o que são os sulfitos no vinho e quais podem ser seus efeitos colaterais!

Afinal, o que são sulfitos?

Sulfito é o nome popular de uma substância chamada dióxido de enxofre. No vinho, são acrescentados com função antioxidante, antibacteriana e conservatória. Sem eles, alguns vinhos podem se degradar mais rapidamente, arruinando o trabalho do produtor.

A prática de utilizar essas substâncias é muito anterior à indústria alimentícia contemporânea. Há registros de produtores na Roma Antiga que queimavam velas feitas de enxofre dentro de ânforas (recipientes utilizados para armazenamento) para liberar sulfitos e conservar seus vinhos.

sulfitos vinho

Hoje, a adição dos sulfitos pode ocorrer durante diversas etapas do processo de vinificação, desde a fermentação, para proteger o mosto, até durante o engarrafamento, conservando o produto final.

Na Europa, o limite da substância é de 100 ml/L. Já no Brasil, esse valor é de 300 ml/L. Apesar de parecer um número alto, é uma concentração muito menor que a encontrada em muitos produtos comumente consumidos no dia a dia, como frutas passas.

Quais os efeitos colaterais dos sulfitos?

Muito se fala sobre os efeitos colaterais dos sulfitos nos vinhos, especialmente em eventuais enxaquecas causadas no dia seguinte após a ingestão da bebida. Embora haja especulações nesse sentido, há pesquisas que comprovam que as dores de cabeça não são causadas pela substância.

Há, porém, uma ressalva nesse sentido: pessoas com um quadro muito grave de asma podem ter reações de cefaleia quando ingerem grandes quantidades de sulfito. Portanto, se é o seu caso, é recomendado acompanhamento médico.

Além disso, o sulfito pode gerar diversas reações em pessoas alérgicas, como espirros, urticárias e complicações respiratórias. Como já exposto, a substância está presente em grandes quantidades em diversos produtos além dos vinhos, então é importante visitar um alergologista antes de consumi-los.

Por que o sulfito é usado?

Uma pergunta muito comum é: se o sulfito pode gerar efeitos colaterais, por que é utilizado na indústria alimentícia, e especialmente nos vinhos? A resposta é que ainda não há como substituir essa substância.

Com a crescente busca por opções mais saudáveis na indústria, o que tem ocorrido é uma diminuição na quantidade de sulfitos usados. Não à toa, há uma regulação de quantidade permitida por litro.

Ademais, a partir de 1988, passou a ser obrigatório que os fabricantes dos Estados Unidos informassem no rótulo a presença da substância. No Brasil, isso ocorreu em 1997, com a Portaria 540/97, que regula os aditivos alimentares.

Os sulfitos no vinho têm efeitos colaterais, porém não são tão nocivos quanto muitos acreditam ser. Eles estão presentes em pequenas quantidades na maior parte dos vinhos e ajudam na sua conservação.

A própria levedura, durante a fermentação, gera uma pequena quantidade de sulfitos, portanto mesmo que o vinho não tenha adição do produto, sempre haverá um pequeno residual.

Para receber novas dicas sobre o universo dos vinhos, preencha o formulário abaixo e assine nossa newsletter. Você receberá conteúdos exclusivos diretamente no seu e-mail!


Posts relacionados

Fala pra gente o que achou

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *